Parceria entre Educação e Saúde Mental do Escolar

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Maconha

Título: Maconha
Fonte: Livreto Informativo Sobre Drogas Psicotrópicas, Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID)


Definição e histórico
-Maconha: nome dado no Brasil à planta chamada cientificamente de Cannabis sativa.
-Em outros países, ela recebe diferentes nomes (Hashishi, Bangh, Ganja, Diamba, Marijuana, Marihiana).
-Conhecida há pelo menos 5000 anos.
-Primeira menção da maconha em nossa língua: escrito de 1548 (“e já ouvi a muitas mulheres que, quando hião ver algum homem, para estar choquareiras e graciosas a tomavão”).
-Até o início do século XX, a maconha era considerada em vários países, inclusive no Brasil, um medicamento útil para vários males. Mas, também já era utilizada para fins não-médicos por pessoas desejosas de sentir “coisas diferentes”, ou mesmo que a utilizavam abusivamente.
-THC (tetraidrocanabinol): principal responsável pelos efeitos da maconha. Sua quantidade pode variar (solo, clima, estação do ano, época de colheita, tempo decorrido entre a colheita e o uso).

Efeitos da maconha
-Efeitos físicos agudos: olhos meio avermelhados, boca seca, coração acelerado.
-Efeitos psíquicos agudos: para uma parte das pessoas, os efeitos são uma sensação de bem-estar acompanhada de calma e relaxamento, sentir-se menos fatigado, vontade de rir. Para outras pessoas, os efeitos são mais para o lado desagradável: sentem angústia, ficam aturdidas, temerosas de perder o controle mental, trêmulas, suadas; é o que comumente chamam de “má viagem” ou “bode”. Há, ainda, evidente perturbação na capacidade da pessoa em calcular tempo (sensação de que se passaram horas quando na realidade foram alguns minutos) e espaço (um túnel com 10m de comprimento pode parecer ter 50 ou 100m) e um prejuízo de memória (principalmente na chamada memória a curto prazo)  e atenção (dirigir carro, operar máquinas potencialmente perigosas). Aumentando-se a dose e/ou dependendo da sensibilidade, os efeitos psíquicos agudos podem chegar até a alterações mais evidentes, com predominância de delírios (a pessoa faz um juízo errado do que vê ou ouve) e alucinações (percepção sem objeto).
-Efeitos físicos crônicos: com o uso continuado, vários órgãos do corpo são afetados. Os pulmões são um exemplo disso (problemas respiratórios, provável chance aumentada de câncer de pulmão). Outro efeito físico indesejável refere-se à testosterona (infertilidade).
-Efeitos psíquicos crônicos: interferência na capacidade de aprendizagem e memorização; também, provoca síndrome amotivacional (não sentir vontade de fazer mais nada, pois tudo fica sem graça e sem importância). Pode levar algumas pessoas a um estado de dependência (elas passam a organizar sua vida de maneira a facilitar seu vício, e tudo o mais perde seu real valor). Finalmente, há provas científicas de que se o indivíduo tem uma doença psíquica qualquer, mas, que ainda não está evidente, a maconha piora o quadro ou faz surgir a doença (como a esquizofrenia).

Nenhum comentário:

Postar um comentário